Você é um palhaço! 7 motivos por que amamos “maus alunos”.

Tempo de leitura: 6 minutos

Nesse artigo você verá:

  • 7 motivos por que amamos maus alunos;
  • O que aconteceu quando uma professora me chamou de palhaço;

Eu não sei se você já viu uma singela história que circula na internet  e nas redes sociais,

envolvendo a realidade da sala de aula. Ela é mais uma menos assim:

A tabuada do 9

Uma professora colocou na lousa a tabuada do 9.

A classe inteira começou a rir e comentar que a professora tinha errado e colocou 9 x 1 = 7.

A professora percebendo a movimentação na sala disse: – Eu fiz isso de propósito, só para mostrar para vocês que assim é a vida. A pessoa faz 9 coisas certas e 1 errada e os outros vão apontar o único erro ao invés de valorizar os 9 acertos.

Professores amam maus alunos

A minha reação instintiva e natural ao ler essa historinha foi pensar: – É realmente… Quantas vezes na vida eu sofri na mão de críticos cruéis, implacáveis e sem coração?

Mas, refletindo mais um pouco eu tive um pensamento ainda mais aterrorizante: – Quantas vezes na vida eu fiz pessoas sofrerem com minhas críticas cruéis, implacáveis e sem coração?

Existe uma tendência natural de exigir do outro um rigor que não aplicamos em nós mesmos.

Essa “má professora” que “não sabe” nem quanto é 9 x 1 me fez lembrar de algo interessante.

Sala dos Professores

De tanto eu frequentar a sala dos professores, aguardando para fazer apresentações ou divulgações, tem algo que sempre me chamou a atenção:

Um dos assuntos preferidos dos professores são os MAUS ALUNOS.

Os professores passam uma boa parte do tempo falando sobre os maus alunos, comentando sobre os maus alunos, analisando os maus alunos.

Com frases do tipo: Aquele não tem jeito! Aquele não muda nunca! Aquele só apronta!

Comentários a respeito dos bons alunos é mais raro.

De tanto pensar nesse assunto me perguntei: Por que amamos tanto os maus alunos?

Eu tenho minhas suspeitas que eu vou te  apresentar AGORA.

7 Motivos por que amamos maus alunos.

 

1º Mania de Perseguição

O primeiro motivo é simples, assim como na historinha da tabuada do 9, o ser humano tem a  tendência de apontar defeitos mais do que valorizar qualidades.

É um lado sombrio da nossa alma mas é inegável que exista.

Fazer uma crítica, expor alguém, dá ao crítico uma (falsa) sensação de superioridade, e principalmente: desvia o foco dos defeitos do próprio ser criticante.

2º Identificação

Em alguns casos (como  o meu, por exemplo) o aluno é “Eu ontem”.

Quando os maus alunos aprontam, a gente vê a si mesmo neles. Dá uma certa nostalgia dos tempos das inocentes inconsequências, às vezes nem tão inocentes assim.

A pessoa pensa: eu fiz coisa parecida ou até pior.

3º Inveja dos Bons

De certa forma, algo dentro de nós diz que “bons alunos” já têm um futuro garantido e serão mais bem sucedidos do que nós somos hoje.

Então, os “bons alunos” que se virem sozinhos, não tem graça falar deles.

4º Levar para o pessoal

Os maus alunos têm a incrível capacidade de tirar a pessoa do sério. Passa pela cabeça reações pouco cristãs.

Mas como a professora não quer nem ser demitida e nem presa só lhe resta morder a toalha e “falar bem” (desabafar na verdade) deles na sala dos professores.

5º Combate a Chatice

Quem faz tudo certinho parece não ter histórias para contar, ou pelo menos, histórias interessantes.

O “mal aluno” dá uma dinamizada na sala de aula, no dia dia, na vida.

6º Senso de desafio

Um “mal aluno” representa um desafio maior, dá um sentimento de: Ahhh! Eu vou dar um jeito nesse cidadão de uma vez por todas.

Convida os professores e todos aqueles que lidam com eles a crescerem como pessoa e como profissional.

7º Por que eles são pessoas reais

Mas, eu penso que o motivo principal é por que os “maus alunos” são pessoas reais.

Ainda mais quando se conhece um pouco mais a história de alguns deles.

Perceber que geralmente tem algo por traz: um conflito familiar, uma insegurança, algum drama que se não serve para justificar a atitude do “mal aluno”, ajuda a explicar.

Podendo nascer assim uma compreensão maior do papel do Agente Educacional.

Eu quando aplico meu Stand Up para os alunos, me vejo não como um professor, mas como um Agente Educacional.

Que apesar de ser um trabalho complementar, também serve para de alguma forma orientar, fazer refletir e gerar autonomia.

Saiba mais aqui sobre o #verdades.inconvenientes

Clique aqui e SAIBA MAIS sobre o #verdades.inconvenientes

Você é um palhaço!

O Professor é o elemento decisivo na sala de aula. É a sua relação pessoal que cria o ambiente. É o seu humor diário que gera o clima. ele pode tornar a vida de um aluno infeliz ou alegre. Pode ser a ferramenta de tortura ou o instrumento de inspiração. Ele pode humilhar ou alegrar. Ferir ou Curar.

Haim Ginott

Eu que oscilava entre ser um “bom aluno” e um “mal aluno”, lembro como se fosse hoje, quando uma professora virou para mim e falou:

Você é um palhaço!

Ela não estava falando em tom pejorativo. Não era uma crítica Era um reconhecimento. Ela me disse que eu tinha senso de humor e criatividade para ser um palhaço.

Eu estava então na 8º série (atual 9º ano). Tempos depois eu consegui perceber que essa foi a 1ª vez na minha vida, que algum adulto (sem ser minha mãe né), me disse de alguma forma:

Você tem algum algo de bom para desenvolver.

De alguma forma ela me disse: – Parabéns, você acertou 9 questões só corrija a primeira e siga em frente. Você tem potencial.

Eu sinto uma gratidão especial por essa professora e o que eu procuro fazer quando encontro “maus alunos” é repetir esse gesto e reconhecer “algum algo” que ele tenha dentro dele, para que ele tenha um incentivo para desenvolver seu potencial.

Hoje eu não sou palhaço, mas sou um humorista. Ganho a vida com esse talento. Minha professora quase acertou, foi 90% de acerto. Já é uma excelente média.

Fico pensando quantos destinos teriam uma melhor sorte se tivesse pelo menos uma pessoa para lhe dizer de forma sincera, interessada e atenciosa: – Você tem potencial. Você acertou 9 questões, parabéns.

Para terminar, eu compartilho com você uma indagação que costumo fazer a mim mesmo sobre meu trabalho de humorista, mas vou adaptar para o universo da sala de aula.

Você gostaria de ser seu aluno se desse aula para você mesmo?