Como lidar com pessoas difíceis?

Tempo de leitura: 10 minutos

Nesse artigo irei resolver de uma vez por todas (como sempre faço em todos os meus artigos) um dos maiores desafios desde que o mundo é mundo: Como lidar com pessoas difíceis?

 

Tenho para mim que cada um de nós sob o Sol tem o direito de ter até 6 pessoas com o qual a gente não vai com a cara, “que o santo não bate”, como dizem, e portanto a pessoa também não vai com a cara da gente.

Todas as pessoas que extrapolam essa marca, que têm 99 desavenças  ou até tem a conta invertida: tem só 6 pessoas que ela gosta, cada pessoa que é assim é uma pessoa difícil.

Uma pessoa difícil é, entre outras coisas, uma pessoa que deixa uma presença marcante quando está ausente, aliás sua ausência e constantemente desejada.

Toda pessoa que quando falta no amigo secreto a gente celebra internamente e secretamente, essa é uma pessoa difícil.

É obvio que todos nós oferecemos desafios para aqueles que convivem com a gente, mas tem gente que “extrapola o limite do cheque especial” no seu direito de oferecer adversidades.

São pessoas que só conseguem ver o mundo de 2 jeitos: o jeito errado e o jeito dela.

Essas pessoas são as pessoas difíceis, que o grande objetivo da vida delas é se aprimorar até o ponto de se tornar uma pessoa insuportável.

As chances de você conhecer alguém assim são de 101,87%.

Mas mantenha a calma, vou te mostrar nesse artigo como lidar com pessoas difíceis.

 

OBS: TEM UM OUTRO ARTIGO DO MEU BLOGUE QUE AUXILIA NA LEITURA DESSE.

Como não ser um idiota? A Era da Idiotice Ostentação

Viver é fácil…

Minha vó sempre conta que uma vez viu uma entrevista de uma senhora na TV e perguntaram para a tal senhora como é que ela conseguia manter tanta alegria e disposição com o passar dos anos?

E a senhora respondeu: – Olha, viver é fácil o difícil é conviver…acho que eu aprendi a conviver…

Sábias palavras dessa senhora!

Pode fazer as contas, é cientificamente comprovado por mim mesmo que, 97.77% dos aborrecimentos humanos são causados pela falta de entendimento entre as pessoas.

A maior fonte de aborrecimento da vida é viver a vida imaginando em como a vida, o mundo e as pessoas DEVERIAM ser.

Só que quase nunca a vida, o mundo e as pessoas se enquadram em nosso particular critério de como as coisas DEVERIAM ser.

E oras, se eu tenho para mim uma nítida clareza de como as pessoas DEVERIAM ser e não são e as pessoas também têm essa mesma percepção É ÓBVIO que do ponto de vista de cada pessoa eu DEVERIA ser de um jeito mais adequado e apropriado para elas.

Costumo pensar assim: não sou tão bom quanto eu acho que eu sou e nem tão ruim quanto alguns pensam que eu sou, sou algum ponto misterioso entre esses dois extremos.

Então, cada um de nós é, de um certo ponto de vista, a EXPECTATIVA frustrada para o critério de alguém.

Por quê, com certeza, para alguém, você, eu, qualquer um de nós DEVERÍAMOS ser melhores mas não somos.

E um pequeno aparte, em relação a expectativa em si, uma verdade verdadeira é que nós DEVERÍAMOS criar orquídeas raras, criar Tiranossauros Rex, Unicórnios Alados, Minhocas alienígenas, mas não DEVERÍAMOS criar expectativas.

Principalmente em relação ao outro e aos outros. Até por quê OS OUTROS são cerca de 7 bilhões e cada um de nós é só um, se eles se aborrecerem com você e se voltarem contra você, você terá uma situação difícil para resolver.

O Inferno são os Outros

Em minhas palestras motivacionais costumo brincar que, mesmo sendo um palestrante motivacional, eu sei que para muita gente a ideia de palestra motivacional dá uma preguiça danada.

Muita gente acredita que ninguém motiva ninguém, que a motivação é pessoal e intransferível.

E eu também concordo em partes com essa ideia. Mas só em partes, por um motivo bem simples…podemos até afirmar que ninguém motiva ninguém, mas que tem gente que desmotiva os outros, isso tem!

Então, por uma questão de justiça, se tem gente que desmotiva, também tem que ter gente que motiva.

E por falar em desmotivadores, pois tem gente que tem esse dom, essa vocação de desanimar todos ao seu redor (aquela pessoa que quando passa até as samambaias viram o rosto).

O tio Jean Paul Sartre disse certa vez que: O Inferno são os Outros.

Eu te pergunto: O inferno são os outros? Para mim, depende.

O que as pessoas estão fazendo das suas vidas?

Uma outra característica das pessoas difíceis é que elas parecem viver inconformadas de que todas as outras pessoas simplesmente não fazem as coisas do seu jeito.

Para as pessoas difíceis, o mundo nada mais é do que uma grande conspiração intergaláctica para que ninguém faça as coisas do jeito dela.

No fundo, cada ser humano tem a convicção de que se o mundo fosse do seu jeito, o mundo seria bem melhor.

Se o mundo inteiro fizesse as coisas do seu jeito, como o mundo seria?

Tem pessoas que passam a nítida sensação de que passam o tempo inteiro se perguntando: por que o mundo não decide, de uma vez por todas, fazer as coisas do meu jeito?

A maioria das pessoas tem uma gaveta, nessa gaveta a pessoa é um verdadeiro imperador, só a pessoa mexe nessa gaveta. Todas as coisas nessa gaveta são do jeito da pessoa. Como é essa gaveta? Assim seria o mundo se tudo fosse do jeito dessa pessoa.

Nem te conto como é a minha gaveta. Então eu prefiro aprender a compartilhar “a gaveta do mundo” com as pessoas.

Síndrome de Bernadinho vs. Síndrome de Campanha de Vereador

Em meus treinamentos para escolas e empresas trabalhamos com o seguinte princípio de relação interpessoal (aqui já está uma boa dica de Como Lidar com Pessoas Difíceis?):

O desafio é Produzir Resultados sem comprometer relacionamentos e também Produzir Relacionamentos sem comprometer resultados.

Quem Produz Resultados mas compromete relacionamentos tem Síndrome de Bernadinho (o treinador de vôlei) para atingir resultados xinga até a própria sombra.

Em um ambiente competitivo, como da quadra de vôlei, até funciona,  mas em um ambiente escolar ou corporativo é difícil de aceitar.

Quem Produz Relacionamentos mas compromete resultados tem síndrome de campanha para vereador, quer agradar todo mundo, mas trabalhar que é bom…

O grande desafio é encontrar o ponto de equilíbrio entre bons resultado e bons relacionamentos.

Você só quer fazer as coisas do seu Jeito

A pergunta persiste: Como lidar com as pessoas difíceis? Todo mundo quer fazer as coisas do próprio jeito.

Mas tem outro jeito de fazer as coisas que não sejam do meu jeito?

Para mim a questão não está exatamente entra fazer do jeito ou não, está entre Propor x Impor.

Qual é a margem de flexibilidade e tolerância que oferecemos? E essa margem de flexibilidade e tolerância pode fazer parte do jeito de cada um.

Compartilho, inclusive, um excelente vídeo do humorista Marco Luque, que deixa bem claro que cada pessoa só tem um jeito de fazer as coisas, que é fazer as coisas do próprio jeito.

Assista! Jackson Five (Marco Luque) – Meu Jeito

Tem pessoas que sabem exatamente tudo o que não querem, mas às vezes, não sabem nada do que querem…

Qual é o remédio? Como lidar com pessoas difíceis?

Até entre as pessoas difíceis existem níveis de dificuldade. Não sei para você, mas para mim existe aquela pessoa que entre os difíceis é ainda mais difícil.

É aquela pessoa que faz a sua dificuldade tão bem feita que ela nos convence claramente de que o difícil somos nós, mais do que isso, ela praticamente nos convence de que nem deveríamos existir de tão difícil que somos.

Mas eu descobri um jeito de discernir se o difícil sou eu ou a pessoa, ou se meu jeito ou de qualquer um pode servir para alguma coisa.

Atenção agora! Aqui está o Pulo do Gato! Para saber se o seu jeito ou o de qualquer um é um jeito facilitador ou dificultador.

Eu não deveria falar isso assim de graça, deveria cobrar por isso, de tão valioso que é.

Imagina a pessoa escrevendo um livro, ou dando uma palestra contando para uma plateia de 222.000 pessoas de como é o jeito dela e de como ela faz as coisas e como lida com as pessoas.

Mas ela tem que ser honesta e metódica, contar passo a passo desde a hora que acorda.

Faça isso com você mesmo primeiro…e na sequência faça com todos que você tem uma desconfiança (quase certeza) de que são difíceis.

Imagina a pessoa explicando passo a passo sua metodologia de existência sublime e isso lhe dará uma boa pista se aquela pessoa é ou não é difícil.

Imagina a reação da plateia, a repercussão, o desconfortou ou conforto.

E tem um item bem importante, o quanto que a pessoa leva a sério o seu próprio jeito, a ponto de sequer desconfiar que não existe a menor possibilidade de fazer a coisa de algum outro jeito que não seja o dela.

Esse é um excelente exercício de auto conhecimento, auto correção, auto percepção e principalmente para discernir se o difícil sou eu, você ou o outro.

Próximo Passo

Feito isso…discerniu quem é o difícil? Qual é a vacina? Afinal e contas como lidar com pessoas difíceis.

Eu tenho para mim que é uma questão relativamente simples: o compromisso com o melhor.

Vou repetir: o compromisso com o melhor.

Vou repetir mais uma vez: o compromisso com o melhor.

Quando focamos na ideia de que estamos comprometidos com o melhor, estamos constantemente avaliando e reavaliando o “nosso jeito” e nos perguntando constantemente:

Esse jeito que estou fazendo é o meu melhor? É o melhor jeito possível de fazer isso que estou fazendo? Será que não existe, entre todas as galáxias, um jeito melhor de fazer isso?

Um jeito mais prático? Mais simples? Mais eficiente? Mais organizado? Mais humano?

Ou não, eu já atingi o ponto máximo da escala de evolução e desenvolvimento humano e simplesmente estou “condenado na minha perfeição” e não há nada que se possa fazer?

Todo o homem que encontro me é superior em alguma coisa. E, nesse particular, aprendo com ele.

Ralph Waldo Emerson

Essa frase do Emerson é para mim o melhor jeito que eu conheço, até agora, para desenvolvermos um senso de humildade na vida.

Reconhecer o valor do outro, a capacidade de cada um ao nosso redor.

E convivermos do melhor jeito possível! Pois, viver é fácil…o difícil é conviver.

Costumo dizer para pessoas próximas: te amo, mesmo você sendo assim! Espero que você faça o mesmo por mim!