Um lugar mais feliz! Carta Aberta 7ª Temporada.

Um lugar mais feliz! Carta Aberta 7ª Temporada.

Tempo de leitura: 6 minutos

Sinto que serei uma pessoa mais feliz por ter meu texto por você, seja lá você quem for. Eu não sei se você já viveu a experiência de escrever para um público abrangente, em que você até tem mais ou menos a ideia do perfil das pessoas que irão ler, mas ao mesmo tempo você sabe que cada ser é um universo em si e começamos com duas certezas: não iremos agradar todo mundo e também (ainda bem) não iremos desagradar todo mundo.

É como contemplar o pôr do Sol em o céu que está meio escuro e meio claro.

Essa é uma carta aberta para você. Que marca o início da 7ª temporada dos nossos trabalhos. Em 07 de Janeiro de 2014 iniciamos uma jornada desafiadora com um único propósito: “Tornar o mundo um lugar mais feliz”.

Caso a felicidade seja um assunto do seu interesse, creio que essa carta, seja para você.

Super Poder

E o Super Poder que eu utilizo para alcançar tal êxito é algo que eu chamo de Humor Útil. E o que seria o Humor Útil? O Humor normalmente é usado para esquecer dos problemas da vida, o humor útil é para enfrentar os desafios da vida. 

Nas seis primeiras temporadas foram mais de 400 escolas, feiras de profissões, faculdades, empresas e eventos dos mais variados tipos. Mais de 300.000 pessoas impactadas (minha esposa/produtora/sócia a Super Diana diz que eu sempre puxo esse número para baixo), enfim, serei bem sincero com você, seja lá você quem for, eu não me importo tanto com QUANTAS pessoas, mas, com CADA pessoa!

300.000 por 3

Aprendi nessas seis primeiras temporadas que na verdade só existem 3 pessoas quando queremos expressar a nossa mensagem.

  1. Os Indiferentes: Pessoas que não importam o que você faça, fale e brinque ou o quanto pule, grite e dê cambalhotas, elas não vão com a sua cara. Não é nada pessoal, seu santo não bate com o dela. Foi duro aprender isso, mas acredito que aprendi.
  2. Os Hesitantes ou Resistentes: Pessoas que até tem um espaço no coração para te amar, mas são legitimamente desconfiados se você quer fazer uma lavagem cerebral, abduzi-las ou ofendê-las.
  3. Os Interessados: Aqueles que gostam de você de cara, amor à primeira vista. cria-se um elo especial e mágico de identificação e representatividade, te falam coisas do tipo; “poxa quando eu crescer eu quero ser igual a você”. Aprendi a cuidar cada vez melhor desses, mas também não dá para ir dormir acreditando que todos são assim.

Conversando com colegas educadores eles relatam que a relação com os alunos em sala de aula é bem parecida. Agora não significa que a proporção é 33,33% para cada. Às vezes é 10/10/80 o que é bem especial, mas às vezes é 80/19/1 o que é bem dramático.

Quem é o melhor Humorista Útil do ano?


Enfim, qual é o melhor Humorista Útil que você conhece? Se você já me conhece a sua resposta só pode ser Daniel Salsa e se você ainda não me conhece a sua resposta também só poder ser Daniel Salsa, pois, afinal de contas, Daniel Salsa é o único Humorista Útil que você conhece ou pelo menos sabe que existe (nem que seja por essa carta).

Quando afirmo que sou Humorista Útil, não estou afirmando que os outros humoristas sejam inúteis, apesar de alguns fazerem um bom esforço para serem reconhecidos assim. E nem estou afirmando que mais ninguém além de mim pratique humor útil, mesmo que não seja humorista, só estou dizendo que eu sou o primeiro que me defini assim. A ideia é minha. Legal né?

Humor levado a sério

maisfeliz_img7

Mas falando sério a respeito do Humor Útil. O Humor, como afirmo em minhas palestras não é necessariamente a coisa engraçada, mas também, o estado de espírito com o qual conduzimos as nossas atividades. É buscar dentro de si o nosso melhor e entregar o nosso melhor. É bem simples mas não é nada fácil.

Ele é útil por quê a proposta do nosso trabalho é inspirar e encorajar os interessados/resistentes e indiferentes a pensar, sentir e agir  em três dimensões humanas: Sonhos, Potenciais e Compreensão da Existência (nome bonito né?).

Se eu não fosse eu e tivesse lendo essa carta, perguntaria no meu silencioso íntimo de leitor: convenhamos, Daniel Salsa, único Humorista Útil do universo, você não é meio pretensioso?

Talvez seja a pergunta que você esteja fazendo no seu íntimo silencioso. Em um primeiro momento talvez eu quisesse responder que pretensioso é a sua bisavó, mas não seria educado e em um segundo momento é apenas a minha forma de me propor a um desafio relevante e que me levante da cama todos os dias disposto e motivado.

Oras, já que é para ser feliz, vamos fazer direito. Reflitamos. Uma pessoa que descobre qual é a sua verdadeira vocação, luta pelos seus sonhos e busca uma compreensão cada vez melhor da existência o que essa pessoa é? No mínimo uma pessoa ocupada. Mas tenho para mim que é uma pessoa feliz. Talvez, justamente, por quê esteja ocupada.

Então, caro leitor misterioso, não sei se você é indiferente, hesitante ou interessado, o humor útil é para combater a inércia, o tédio, o desânimo, o desinteresse e a apatia  que tanto assola o nosso mundo. 

Humor Útil para quê?

O Humor Útil é para injetar nas mentes e corações a disposição e inspiração para um vida mais vivida. 90% do meu público são jovens entre 12 e 17 anos e uma boa parte dos deles sentem-se como se fosse obrigados a usar uma máscara de que “está tudo bem” quando no íntimo não está.

Por mais antaôngico que possa parecer o Humor Útil é para tirar da pessoa a obrigação de ser feliz do jeito que o mundo, muitas vezes, impõe que as pessoas sejam felizes para que a pessoa escolha de ser feliz de uma forma que ela sinta-se mais ela mesma sendo feliz. 

É simples, mas não é nada fácil, ainda mais para uma geração de jovens que estão acostumados a resolver tudo baixando  aplicativos de forma veloz e furiosa.

E quem cuida dos assuntos que os aplicativos não conseguem resolver? Você já viu algum aplicativo que mande entregar em casa mais gentileza, mais empatia, mais afetividade, mais coragem e disposição com R$ 10,00 de desconto na taxa de entrega? Ainda não inventaram e nem irão inventar.

A vida é um desafio moral, físico, intelectual, material de relacionamos e espiritual. Ou seja, a vida é o desafio da felicidade. É simples, mas não é nada fácil.

E sinto no meu íntimo que todos aqueles que se comprometem com felicidade humana fazem parte da mesma família e isso me faz lembrar do Barney, aquele dinossauro roxo que canta assim: Amo você, você me ama, somos uma família feliz!

Felicidades para todos!

E você? O que acha disso tudo? Você é Indiferente, Hesitante ou Interessado na Felicidade?