O que não é felicidade? Lições de um vencedor do Oscar

Tempo de leitura: 6 minutos

Nesse artigo  eu quero te dar uma Super Dica!

  • Assista ao documentário vencedor do Oscar 2017: O.J Made in America (produzido pela ESPN)

Além dessa Super Dica, nesse artigo eu vou mostrar

  • Porque eu acredito que todos os educadores devem propor aos jovens que assistam esse documentário.

 

Uma vez aprendi em um livro que as pessoas só querem 4 coisas na vida:

  1. uma vida melhor
  2. um mundo melhor
  3. serem bem sucedidas
  4. serem felizes

Isso é quase um mantra na minha cabeça para me relacionar com os jovens e com as pessoas de maneira geral.

Compreender isso é compreender a maior parte das dores e anseios das pessoas.

Na busca pela Felicidade considero bem importante saber entender também: O QUE NÃO É FELICIDADE.

E  no meu modo de entender o maior desafio para descobrir o que não é felicidade é identificar certas coisas que parecem muito, tem todo o jeito, tamanho, cheiro, profundidade, espessura de felicidade, mas não é.

 

Justifica-se

Por que eu acredito que você deva pautar o documentário O.J made in America com seus alunos do ensino médio?

Esse documentário mostra algumas coisas que parecem muito com felicidade, mas não é.

Há muito tempo um filme ou documentário não provocava uma reflexão tão impactante em mim.

Acredito sinceramente que precisamos proporcionar aos jovens experiências de “Acorda para a Vida”.

Já ouvi muitas vezes professores falarem: não adianta falar, eles não ouvem.

Eu penso assim, se falando é difícil, imagina se não falar.

Educar é semear com sabedoria e plantar com paciência

Augusto Cury

Experiência pessoal minha: assim como a maioria dos jovens eu passei um período da minha vida acreditando que sabia de tudo e descartava todo e qualquer tipo de orientação.

Sempre que tentavam me alertar o que eu ouvi era Blá, Blá, Blá.

Acontece que, assim como a maioria dos jovens que acreditavam que sabiam de tudo, essa estratégia não deu certo e um dia eu necessitei rever minhas ideias.

Eu enfrentei muitas dificuldades e quando eu estava quase desistindo eu tive de recorrer aos recursos que estavam dentro de mim.

E quais eram esses recursos? As orientações que eu recebi e a princípio ignorei.

Como disse o Augusto Cury, se educar é semear com sabedoria, as dificuldades são chuvas que irrigam as sementes de sabedoria dentro de nós. Desde que a pessoa consiga reconhecer isso.

Diante do exposto, justifica-se apresentar o documentário como um plantio de orientação, de alerta para os jovens.

Além de ser um documentário excelente, como filme mesmo.

Um aviso! Ele tem mais de 7 horas de duração.

Isso mesmo, mais de 7 horas de duração, mas vale o seu empenho.

E não se assuste, ele está dividido em uma série de 5 partes.

Penso também que Educar é assumir o risco de salvar uma vida.

O homem chega a maturidade quando encara a vida com a mesma seriedade com o que uma criança encara uma brincadeira

Nietzsche

E para Crianças-Homem, Homens-Crianças que são os jovens, penso que precisamos pouco a pouco convidá-los a encarar a vida com seriedade  (por mais que esteja fora de moda).

 

Mais que um Drama

A vida de O.J Simpson é mais do que um Drama, é uma Tragédia Mitológica.

É como se fosse a história de um Semi Deus. Alguém condenado pelo Destino a ser refém de seus próprios talentos e habilidades.

Você provavelmente irá ter uma vasta combinação de sentimentos em relação a ele. Que irão transitar da mais profunda compaixão à mais intensa indignação.

Mas, no meu modo de entender a melhor perspectiva de assistir esse documentário é fugir da julgamento do caráter de O.J Simpson para uma pergunta que pode gerar muita reflexão:

E se fosse eu no lugar dele?

Não falo do assassinato em si (detalho mais em baixo), mas sim sobre sua condição de hiper mega superlativa celebridade.

Vale muito, mas muito mesmo, a pena (se trocadilhos com a justiça).

Uma visão geral

 

Para quem ainda não conhece sua história, um pequeno contexto:

O.J Simpson foi um jogador de futebol americano, mas não foi um jogador qualquer, ele foi um dos melhores de todos os tempos.

Teve tudo o que a gente imagina de uma pessoa de muito sucesso. Mas tudo mesmo.

Mesmo aposentado continuava em alta, era ator, repórter e garoto propaganda de várias marcas, um exemplo clássico do sonho americano.

Mas a partir de junho de 1994 sua vida nunca mais seria a mesma, sua ex mulher, mãe de 2 de seus filhos, foi encontrada morta junto a um amigo.

Todas as pistas apontavam para O.J Simpson, mas depois de 1 ano de julgamento ele foi absolvido.

Hoje O.J cumpre pena de 33 anos por um outro crime que ele cometeu anos depois.

Não quero dar mais Spoilers. Assista ao documentário!

O que importa é como e por quê tudo isso aconteceu. O documentário é um caleidoscópio detalhado das nossas mentalidades, das nossas formas de encarar a vida, a fama o sucesso.

Temas para Debates de mais de 7 horas 

Ao assistir o documentário você pode promover alguns debates profundos com sua turma.

Racismo

Um dos pontos centrais do documentário é como o drama histórico do racismo nos EUA foi utilizada em sua defesa.

O.J nunca quis se colocar como um negro, nem defender bandeiras de igualdade racial, até o dia que isso serviu a ele para libertá-lo da prisão.

Desigualdade Social

Como o abismo entre ricos e pobres produz desentendimentos e interfere na forma que cada um de nós encara as situações da vida.

Revela a tendência das pessoas de ao mesmo tempo amarem a ascensão dos menos favorecidos e a queda dos mais favorecidos.

Mesmo que esse “favorecido” seja a mesma pessoa: no caso O.J Simpson.

Intolerância

Uma marca tão forte da nossa época. Como é fácil encontrar justificativas para todas as formas de violência.

Culto a Celebridade

O quanto a “Celebridade” tem poder sobre o que ela realmente é? Ela é ela mesma ou a expectativa do que se espera dela?

O quanto o Culto a Celebridade pode afetar a formação de crianças e jovens? A qual necessidade, anseio e desejo esse comportamento atende?

Queremos Justiça ou Vingança?

O quanto ressentimentos seculares vêm à tona em momentos marcantes e o senso de Justiça se confunde com a sede de vingança.

Esses são alguns pontos e questionamentos que eu tenho me feito desde que assisti ao documentário.

Acredito eu que você encontrará outros pontos a serem debatidos e refletidos. Minha sugestão é, repito, refletir a partir do ponto de vista: e se fosse eu no lugar dele? O que eu faria? Como eu me comportaria?

Uma Lição de Vida

 

Mas para mim, além desses pontos de reflexão, ao assistir esse documentário eu acredito ser uma excelente oportunidade para transmitir uma importante lição de vida.

A essência dessas mais de 7 horas é uma simples, poderosa e eterna lição de vida.

Ninguém está tão alto que não possa cair!