Sobre a Construção de Muros. Qual é o “X” da questão?

Tempo de leitura: 5 minutos

 

Nesse artigo vou:

  • Expor meu ponto de vista sobre qual é o único motivo justificável para a construção de um muro;
  • Qual é o “X” da questão?

Há um muro de concreto

Inútel, a gente somos, inútel…

                   Inútil.Ultraje a Rigor


Existe um homem, em um país que não é o nosso, que quer construir um muro entre o país dele e um país vizinho.

Ele alega, entre outras coisas, que os moradores desse país vizinho tiram o emprego dos moradores do seu país.

Outra coisa que ele alega é que o país vizinho manda “espertamente” os piores cidadãos de seu país para o outro país.

E um detalhe, esse homem quer construir um muro que ficará entre US$ 10 bi e US$ 25 bi e quer mandar a conta para o país vizinho.

Essa foi uma notícia que me chamou atenção.

Idiossincrasias

Seres humanos são cheios de idiossincrasias.

Idiossincrasias são características específicas do indivíduo que lhe dão um ar único.

Podemos colocar nesse hall todas as nossas manias e preferências, por mais absurdas que sejam.

De perto ninguém é normal…

Vaca Profana. Caetano Veloso

Desde a minha infância eu me pergunto: Como podem existir pessoas que comem o arroz por cima do feijão? Eu considero isso inconcebível.

E outra coisa ainda mais intrigante: Como podem existir pessoas que comem sagu? (O dia que eu for presidente do mundo, meu primeiro ato não será construir um muro, mas sim proibir o sagu).

Mas, essa idiossincrasia, desse idiossincrático presidente, fez eu refletir.

Dentro do meu conjunto de manias e preferências por qual motivo eu consideraria justificável construir um muro?

Entre todas as classificações humanas, de raça, cor, gênero, ideologias, nacionalidades, extrato social, opção sexual e times de futebol a única mesmo que deveria definir o caráter de uma pessoa é a forma como a pessoa se relaciona com mangas.

1) Se come manga.

2) Se sim. Como ela come a manga?

Primeiro eu faria um grande muro que dividiria o mundo em dois. De um lado os que não comem manga e do outro lado os que comem manga.

Calculo que 70% das pessoas comem manga.

E se não comem, a partir do momento que experimentassem, passariam a comer.

Em seguida, dentro do grupo dos que comem manga eu faria mais um subgrupo.

Os que comem a manga se lambuzando e os que comem a manga em outras modalidades.

Dentro dos que comem manga com outras modalidades, mais uma subdivisão: aqueles que comem manga em cubo e aqueles que comem manga em fatias.

A medida que eu fosse percebendo mais necessidade de subdivisão, mais muros eu construiria.

E eu? Onde ficaria? No grupo daqueles que comem manga em fatias, com garfo e faca, sinal de civilidade. Os verdadeiros herdeiros da terra.

De forma pacífica eu colocaria ordem na casa.

E os amigos e familiares que não fizessem parte do mesmo grupo teriam direito a se encontrar uma vez por ano para colocar a conversa em dia.

Seria um mundo perfeito. Mas sei que a humanidade ainda não está pronta para minhas ideias.

Coisa que não falta no mundo é gente besta e pau seco. Manuel de Barros

Definitivamente, o que define a civilidade de uma pessoa e sua consciência de um mundo melhor é a forma como ela come manga, se é que come.

Estou apenas exercendo o meu direito de imaginar um mundo perfeito, mas…

Qual é o “X” da questão?

A matemática, que já não é uma tarefa muito fácil, quando começa a aparecer letras e se misturar com o português, fica ainda mais desafiadora, mais enigmática, por assim dizer.

Quantas noites de sono já foram prejudicadas por alunos do mundo inteiro procurando o valor de “X”, seja em uma equação de 1º, 2º ou 3º grau.

E na vida? Qual é o “X ” da questão?

Qual é o enigma da vida?

Qual é o fator que gera ânimo, entusiasmo? 

Qual é o fator que proporciona segurança emocional, confiança, perspectiva e significado?

Que permite assumir riscos e gerar oportunidades, inovar e proporcionar crescimento em todos os sentidos?

A contribuição única. O “É isso”, enfim, o “X” da questão?

Humor Útil

Na vida poucas pessoas vão nos amar pelo o que a gente é, e geralmente é da nossa família, e olhe lá.

Muitas pessoas vão nos amar pelo o que a gente faz e se continuar fazendo.

Em outras palavras, vão nos amar se formos úteis.

Raríssimas pessoas vão nos amar apesar do que a gente é.

Para sobrevivermos precisamos ser úteis.

Sabe qual é uma das principais funções de um humorista? Combater o tédio.

Sabe qual é outra? Combater a inércia.

Há um bom tempo atrás, eu quis desenvolver um Projeto Cultural para uma Vereadora de São Vicente, litoral de São Paulo.

Ela me disse que apoiaria meu projeto se eu respondesse a seguinte questão: Qual é a importância da arte?

Em um primeiro momento, respondi que a Arte vale mais que Petróleo, pois a criatividade era uma recurso inesgotável.

Não a convenceu!

Passei a noite acordado pensando na importância da Arte e a melhor resposta que eu consegui chegar foi a seguinte:

Eu não sei te dizer exatamente qual é a importância da arte, mas tente imaginar o mundo sem arte, não existe música, nem pinturas, nem um filme sequer, nada, absolutamente nada, imagina o vazio que seria, a importância da arte é preencher esse vazio.

Essa reflexão pode ser usada para outras situações.

Qual é a importância de um Humorista? Qual é a importância de uma Professora?

Tira os Humoristas do mundo. Tira os professores do mundo. E conseguiremos perceber.

Por um motivo bem simples: o verdadeiro desafio da vida não é construir muros e sim, construir pontes.

Não sei se construir pontes é o “X” da questão, mas já é uma boa pista.